Bom Dia, hoje 11/12/2017 - 4:35:21
 

Síria: ataque dos EUA foi imprudente’ e ‘irresponsável’

07/04/2017   11:18

EUA bombardeiam base do regime de Assad na Síria - 06/04/2017 (Mass Communication Specialist 3rd Class Ford Williams/U.S. Navy/AP)

 

O ataque na noite dessa quinta-feira foi a primeira ação militar do governo Donald Trump

 

Por Julia Braun

 

Síria disse nesta sexta-feira que o ataque de mísseis dos Estados Unidos contra uma base aérea em Homs foi “imprudente” e irresponsável” e que o governo americano foi “inocentemente convencido por uma campanha falsa de propaganda”. A declaração da Presidência emitida em um comunicado faz referência a acusações de que o governo sírio seria responsável pelo ataque de armas químicas desta semana.

 

Segundo Damasco, a ofensiva dos EUA aumentou também a determinação do país para derrotar grupos insurgentes, que se comprometeu a aumentar as ações contra os rebeldes. “Essa agressão intensificou a determinação da Síria para atingir esses agentes terroristas, para continuar a derrotá-los, e acelerar a velocidade de ações com esse objetivo onde quer que eles estejam”, dizia o comunicado.

 

O ataque na noite dessa quinta-feira foi a primeira ação militar do governo Donald Trump. As forças americanas bombardearam com 59 mísseis Tomahawk uma base aérea em Homs. A ofensiva foi lançada a partir de navios de guerra mobilizados no Mediterrâneo.

 

Segundo a agência de notícias oficial do governo sírio Sana, pelo menos nove civis, entre eles quatro crianças, morreram no ataque. As vítimas civis estavam nos povoados de Al Hamrat, Al Shayrat e Al Manzul, situados nos arredores da base área de Shayrat

 

Veja também

MundoMerkel e Hollande responsabilizam Assad por reação dos EUAquery_builder7 abr 2017 - 07h04

MundoRússia acusa EUA de planejar ataque com antecedênciaquery_builder7 abr 2017 - 06h04

 

Congresso americano – A decisão de lançar uma ofensiva militar na Síria contra o regime de Bashar Assad foi aplaudida por grande parte dos membros do Congresso americano. Republicanos e democratas aprovaram a ação do presidente Trump, mas pediram que em próximas decisões militares o Congresso seja consultado.

 

“Garantir que Assad saiba que quando ele comete atrocidades tão desprezíveis, ele pagará um preço é a coisa certa a se fazer”, disse o líder da minoria do Senado, o democrata Chuck Schumer. “Esta ação foi apropriada e justa”, disse o presidente da Câmara, Paul Ryan.

 

Mas, em ambos os partidos, muitos membros pediram por mais consulta ao Congresso. “O Presidente precisa de autorização do Congresso para ações militares, conforme exigido pela Constituição, e peço-lhe que venha ao Congresso para um debate apropriado”, disse o senador republicano Rand Paul, do Kentucky. “Se o Presidente pretende aumentar o envolvimento dos militares dos EUA na Síria, ele deve vir ao Congresso para uma autorização de Uso da Força Militar, que é qualificada para enfrentar a ameaça e impedir uma outra guerra no Oriente Médio”, afirmou também a líder da minoria na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

 

A Rússia – A primeira consequência do ataque veio com a resposta da Rússia. O governo Putin suspendeu, nesta sexta-feira, a coordenação militar que tinha com os Estados Unidos na Síria. O Ministério das Relações Exteriores russo acusa Washington de ter planejado o ataque com antecedência. “A parte russa suspende a vigência do memorando que existe para evitar incidentes e garantir a segurança de voos durante as operações (militares) na Síria, assinado com os EUA”, afirmou o Ministério, em uma declaração lida por sua porta-voz, Maria Zakharova.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Veja.Abril 


 
Publicidade