Bom Dia, hoje 11/12/2017 - 4:36:19
 

Suspeito de atentado em Estocolmo confessa pertencer ao EI

10/04/2017   09:42

Pessoas foram mortas atropeladas por um caminhão que invadiu uma loja de departamento no centro de Estocolmo, na Suécia - 07/04/2017 (Fridrek Sandberg/Reuters)

 

De acordo com informações do jornal sueco "Aftonbladet", o rapaz garantiu ter recebido ordens diretas da organização terrorista islâmica a partir da Síria

 

Por Da redação

 

Um uzbeque que solicitou asilo na Suécia confessou ter cometido o atentado terrorista desta sexta (7) em Estocolmo e afirmou que pertencia ao Estado Islâmico.

 

Quatro pessoas morreram após um caminhão da empresa de bebidas Spendrups invadir uma rua de pedestres no centro da capital e atropelar uma multidão. 

 

De acordo com informações do jornal sueco “Aftonbladet”, o rapaz garantiu ter recebido ordens diretas da organização terrorista islâmica a partir da Síria. “Atropelei os infiéis”, afirmou.

 

Veja também

MundoEstocolmo: bomba é encontrada dentro de caminhão usado em ataquequery_builder8 abr 2017 - 09h04

MundoEstocolmo: suspeito de atentado já era conhecido pela políciaquery_builder8 abr 2017 - 13h04

 

Tanto essa publicação como outro jornal local, o “Expressen”, identificam o preso como Rakhmat Akilov. Autoridades confirmam que ele chegou à Suécia em 2014 e teve seu pedido de asilo rejeitado dois anos em 2016. Procurado pela polícia desde o fim de fevereiro, ele tinha uma ordem de expulsão do país.

 

Akilov morava em um subúrbio na zona sul, onde dividia um apartamento com outros compatriotas. No último sábado, a polícia realizou uma operação no local, e várias pessoas foram detidas.

 

Ele passou as horas que antecederam o ataque conectado com o seu telefone a uma rede sem fio, de acordo com “Aftonbladet”. A imprensa sueca também apurou que Akilov, que trabalhou no ano passado para uma empresa de saneamento, tinha feito um reconhecimento na região antes do ataque.

 

Os quatro mortos no atentado foram identificadas como dois cidadãos suecos, um britânico e um belga. Das nove pessoas que permanecem hospitalizadas, dois estão em estado grave.

 

 

 

 

 

Fonte: Veja.Abril (Com informações da EFE)

 

 

 


 
Publicidade