Ex-repórter policial condenado a 14 anos por estupro é preso ao celebrar Páscoa em Igreja

17/04/2017   01:00

 

O crime ocorreu em junho de 2012 contra um enteado que época do fato estava com 9 anos

 

O ex-repórter policial Emin Wilkes da Cunha, 39 anos, foi preso por está foragido há noves meses condenado por estupro de vulnerável a uma pena de 14 anos. A prisão ocorreu, enquanto na noite desse domingo (16), enquanto celebrava a Páscoa em uma Igreja Evangélica localizada na Rua Daniela com Bidu Saião, Bairro Aponiã da Zona Leste de Porto. O crime ocorreu em junho de 2012 e foi cometido contra um enteado que época do fato estava com 9 anos, o mandado data de julho de 2016.

 

De acordo com a denúncia, em junho de 2012 o acusado teria praticado atos libidinosos com seu enteado na época com 9 anos de idade aproveitando-se da confiança da companheira com quem vivia maritalmente. Os abusos ocorriam quando ficava só com a criança em casa, enquanto a mulher saia para resolver compromissos. Dentre as práticas denunciadas, o juízo entendeu que Emin convencia a criança a tirar as roupas para ficarem nus e teria feito sexo oral e anal pelo menos uma vez.

 

Após trânsito em julgado da sentença que não cabia mais recursos, o Juiz de Direito do 1º Juizado da Infância e da Juventude, Dalmo de Castro Bezerra, emitiu o Mandado nº. 1759-90.2013.8.22.07.01.0001 com validade de 06 de dezembro de 2016 a 15 de abril de 2034. A sentença emitida pelo Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia considerou o ex-repórter policial em Ação Penal por Estupro de vulnerável, o qual fará no mês de agosto 40 anos e foi recolhido ao Sistema Prisional.   

 

A equipe de policiais da Força Tática 02 comandada pelo soldado PM Antônio do 5ºBPM estavam em patrulhamento ostensivo quando receberam uma informação do Núcleo de Inteligência (NI), a qual dava conta que havia um foragido da justiça no interior da Igreja Pentecostal estava adorando a Deus. De pronto foram averiguar e se certificaram que se tratava de Emin Wilkes, após explicarem o teor do mandado ao pastor da denominação evangélica, deram voz de prisão e aprentaram-no à Central de Flagrantes. 

 

 

Condenação

 

A condenação foi dada considerando o Decreto Lei n°. 2.848 de 7 de Dezembro de 1940 que versa sobre: Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos: (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009). Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos. (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009) § 1º - Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência. (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009).

 

 

 

 

Autor: RONDONIANOAR

 


 
Publicidade