Cui Bono: Polícia Federal prende pela segunda vez Geddel Vieira, o homem de R$ 51milhões

08/09/2017   11:04

Imagem Reprodução: CanalShowtube

 

Como se fosse roteiro de um filme cinematográfico em que o ator principal do enredo denominado Cui Bono, Geddel Vieira, ex-deputado federal e ministro no governo petista e pemedebista vem sendo desmascarado a cada capítulo. Em liberdade condicional, o homem de R$ 51 milhões de reais foi preso novamente pela Polícia Federal na manhã dessa sexta-feira (8) durante a 4ª fase da Operação. Dessa vez estão sendo cumpridos 5 mandados judiciais expedidos pela 10 ª Vara Federal de Brasília, sendo 3 mandados de busca e apreensão e 2 mandados de prisão preventiva.

 

Geddel é suspeito de comandar um esquema fraudulento no período que exerceu a vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, por isso, virou alvo de investigação e em 13 de janeiro foi deflagrada a primeira fase da Operação Cui Bono. Com provas materiais contundentes e a suspeita que estivesse tentando eliminar provas, a PF entrou em ação novamente e o prendeu no mês de julho. Posteriormente, foi posto em liberdade condicional em uma polêmica por não fazer uso de tornozeleira de monitoramento eletrônico comum aos que recebem esse benefício.

 

Os investigadores tinham certeza que havia uma grande quantidade de dinheiro em espécie a ser apreendida, logo durante diligências identificaram um apartamento suspeita no Bairro da Graça em Salvador – Bahia. A suspeita era a de que o endereço estava sendo utilizado como um “bunker”, então na última terça-feira (5) foi deflagrada a terceira fase da Cui Bono denominada ‘Tesouro Perdido’, logo apreenderam R$ 42.643.500,00 e US$ 2.688.000,00. Os agentes federais ficaram surpresos e ao mesmo tempo felizes, pois fizeram a maior apreensão do tipo na história do Brasil.

 

O proprietário do apartamento, Silvio Vieira, disse que cedeu o apartamento para Geddel guardar bens do pai e não sabia que estava sendo utilizado para o depósito de sacos e malas de dinheiro. Com base em impressões digitais do ex-ministro e prevendo uma possível fuga a 10ª Vara Federal de Brasília autorizou, por isso, os policiais federais cumpriram os mandados nessa 4ª fase. A expressão Cui Bono em latim significa a quem interessa?, visa trazer a tona os desvios de recursos no período de 2011 a 2013 via ‘negociatas’ na Caixa Econômica Federal envolvendo políticos e empresários.

 

 

 

 

 

Autor: RONDONIANOAR

 


 
Publicidade