Educação: Prefeito providenciará escola infantil no Orgulho do Madeira

20/10/2017   15:13

 

Escolas eram para ter sido entregues juntamente com os apartamentos, mas tanto o município quanto o governo estadual não se moveram

 

O prefeito de Porto Velho, dr Hildon Chaves, encontrou uma alternativa para enfrentar o problema da falta de vagas em escolas públicas, principalmente para a educação infantil, no entorno do residencial Orgulho do Madeira, o maior de Porto Velho, com quatro mil apartamentos, onde residem cerca de 30 mil pessoas. Ele encomendou um estudo à Secretaria Municipal da Educação (Semed) para alugar dois galpões comerciais em construção, que podem ser adaptados para receber salas de aulas, refeitórios, bloco administrativo e biblioteca, além de área de lazer.

 

Simultaneamente à construção do Residencial, que começou a ser entregue em dezembro de 2015, tando a Prefeitura quanto o governo estadual deveriam construir escolas para o ensino infantil até o médio, para que fossem entregues aos moradores juntamente com a entrega dos apartamentos. Ocorre que nem um nem o outro se moveu nesse sentido e o que sobrou foi um enorme problema social, vez que os pais dos alunos que se mudaram para o novo endereço não conseguiram vagas em número suficiente para matricular seus filhos.

 

Em decorrência, uma grande parte de alunos teve que continuar nas escolas que estavam matriculados antes, próximos às antigas locais onde moravam, muitos dos quais vários quilômetros distantes do novo endereço no Orgulho do Madeira. Desde que o problema eclodiu, no início do ano passado, o Ministério Público vem cobrando do poder público estadual e municipal uma solução para oferecer vagas escolares aos moradores.

 

Quando assumiu em janeiro, o prefeito dr Hildon já se deparou com o problema instalado. Neste primeiro ano conseguiu ampliar o número de vagas em algumas escolas da região, mas longe de atender a demanda em número suficiente. Até que se consiga viabilizar a construção de uma escola no conjunto residencial, ele determinou que a Semed buscasse uma alternativa.

 

O diretor de Locação da Secretaria, Francisco Welder Fernandes, o Tapioca, conseguiu contato com um empresário que está construindo dois prédios comerciais, cujas estruturas pode ser adaptadas para funcionar, uma como escola infantil e outra como creche. Na manhã desta sexta-feira, acompanhado da diretora administrativa e financeira da Semed, Bianca Veroneze, do diretor de Locação, Tapioca, e da superintendente de Gastos Públicos, Valéria Jovânia, o prefeito esteve nas duas obras para conhecer a estrutura e verificar a possibilidade de locação para atender emergencialmente à demanda do conjunto já no início do próximo ano letivo, a partir de fevereiro.

 

O prefeito vislumbrou a possibilidade de se providenciar no local uma escola com 14 salas, todas climatizadas, mais refeitório, cozinha, banheiros, biblioteca e administração, capaz de atender no mínimo 600 alunos, sendo 300 no turno da manhã e mais 300 à tarde. A outra estrutura, para funcionamento da creche, poderá receber outras 300 crianças.

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria/PMPV 

 

 

 

 


 
Publicidade