Boa Tarde, hoje 17/08/2018 - 14:50:46
 

Meio Ambiente: Fórum Público recomenda urgência na recuperação das águas da sub-bacia do Rio Branco, em Rondônia

09/05/2018   16:40

Analistas ambientais recomendam monitoramento permanente de água e apoiam ações contra degradação de rios e do solo

 

Comissão multidisciplinar da Secretaria Estadual do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) emitirá parecer final a respeito de conflitos e impactos causados por oito empreendimentos hidrelétricos na Zona da Mata, em Rondônia.

 

A informação foi dada ontem (7) em Porto Velho pela analista ambiental Daniely Sant’Anna, ao anunciar os resultados do 2º Fórum Público da Avaliação Ambiental Integrada da Sub-Bacia do Rio Branco, dias 26 e 27,  no Plenário da Câmara Municipal de São Francisco do Guaporé e no Teatro Velci Bech, em Alta Floresta d’Oeste.

 

Analistas ambientais da Sedam resgatarão orientações contidas no Plano de Desenvolvimento Estadual Sustentável e esperam participar ativamente da regularização fundiária nessa região.

 

Diretrizes e recomendações feitas por consultores contratados recomendam o fortalecimento da atuação dos órgãos gestores de recursos hídricos na regulação e monitoramento sistemático do uso da água na sub-bacia.

 

O diagnóstico (denominado Avaliação Ambiental Integrada) pede urgência para a criação do banco de dados com informações georreferenciadas para os meios físico e biótico. Incluiu ainda a identificação das reservas legais das propriedades rurais, a fim de criar corredores ecológicos na sub-bacia.

 

Quilombolas, indígenas e estudantes prestigiaram o evento. No 1º Fórum Público, em 2015 já havia queixas a respeito dos impactos ambientais causados pelas usinas Alta Floresta (5 Megawatts); Ângelo Cassol (3,6 MW); Cachimbo Alto (9,8 MW); Figueira (1,4 MW);  Monte Belo (4,0 MW); Rio Branco (7,1 MW); Santa Luzia (3,2 MW); e Saldanha (5,2MW).

 

A avaliação feita pela Sedam dividiu em três áreas os impactos causados pelas PCHs: 1) fragilidade em recursos hídricos e ecossistema aquáticos na reserva hídrica disponível, por causa da transposição do rio.

 

Conforme o estudo, houve “alteração da dinâmica hidrossedimentológica” em consequência de mudanças na qualidade da água, biota aquática (plâncton, bentos e macrófitas); interferências sobre a ictiofauna; e redução no tamanho das populações de quelônios, algo constado por indígenas da região.

 

2) No meio físico e ecossistemas terrestres: erosão progressiva do solo; interferências na vegetação e na fauna; contaminação do solo e lençol freático devido a lixões; e inferferência em áreas legalmente protegidas.

 

3)  Na socioeconomia, fragilidades no uso e ocupação do solo por comunidades sensíveis; impactos na atividade pesqueira; interferência com o patrimônio histórico, cultural e arqueológico em comunidades tradicionais; pressão sobre infraestrutura de saneamento e disposição final de resíduos sólidos.

 

O estudo menciona potencialidades apenas no aspecto socioeconômico: “dinamização da economia e melhorias das condições de vida”.

 

 

Governo apoiará municípios

 

Segundo Daniely Sant’Anna, a Sedam se prontifica a firmar convênios para harmonizar planos programas e projetos federais, estaduais e municipais previstos para o território das PCHs.

 

“A participação pública foi importante para esclarecer a situação de tensão real ou potencial, causada pela concorrência entre direitos, interesses e atribuições das partes originadas por PCHs”, ela disse.

Embora não despertasse o interesse de prefeitos e vereadores da região afetada, o 2º Fórum Público decidiu pela capacitação de gestores municipais inseridos na sub-bacia, especialmente para gerir recursos hídricos e resíduos sólidos (lixo).

 

“Os jovens se interessaram muito pelos debates, demonstrando preocupação com o presente e o futuro ambiental de Rondônia”, destacou.

 

O governo estadual apoia municípios ou consórcios entre eles, na elaboração de planos de saneamento e diretores que já estão atrasados, a exemplo de diversas regiões brasileiras.

 

“Será preciso recuperar áreas degradadas e resgatar peças arqueológicas dentro das normas do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, e nisso a população poderá colaborar o suficiente”, observou Daniely.

 

O desparecimento de peças arqueológicas de alto valor histórico para populações indígenas foi denunciado dez anos atrás pela líder indígena Walda Ajuru.

 

 

Saiba mais

A Coordenadoria de Licenciamento e Monitoramento Ambiental da Sedam ratifica estudo e aguarda possíveis adendos. Participam desse trabalho o engenheiro ambiental João Paulo Papaleo e a bióloga Rita de Cássia da Cunha. Compareceram ao evento representantes da Sedam (em Porto Velho e Alta Floresta), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Funai, Comissão Pastoral da Terra e Universidade Federal de Rondônia, e advogados do Grupo Cassol, proprietário das PCHs.

 

O documento entregue à Sedam explica:

►Impacto cumulativo decorre da combinação de impactos de múltiplas atividades num mesmo fator ou componente ambiental – caso do rio Branco, atualmente com oito pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

►Impacto sinérgico é um tipo de impacto cumulativo no qual o efeito resultante é de natureza diversa daqueles que o originaram, pois ocorre potencialização nos efeitos de um ou mais impactos, em decorrência da interação espacial ou temporal entre empreendimentos/atividades.
► Impactos: efeitos positivos ou negativos dos empreendimentos que alteram a situação socioambiental. Podem gerar efeitos sinérgicos ou cumulativos.

falebacia@falebacia.com.br
Ligação gratuita: 0800-887 1604

Bacias dos rios Jamari e Machado são as mais impactadas em Rondônia
Rio Jaru é contemplado com ações do Projeto Recuperar
Projeto piloto de recuperação de mata ciliar deve reflorestar 16 nascentes em Nova União
Conservação ambiental será vitoriosa se nascentes forem recupetradas, alerta consultor

 

 

 

 

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Assessoria Sedam
Secom - Governo de Rondônia

 

 

 

 


 
Publicidade