Boa Noite, hoje 21/10/2018 - 20:19:11
 

TJRO implantará Sistema de Auditoria Interna

16/08/2018   13:29

 

O Tribunal de Justiça de Rondônia - TJRO é o único Tribunal estadual que participa do projeto de implantação do Sistema Auditar (AUDITAR), software utilizado para o gerenciamento dos processos de trabalho voltados às atividades de auditoria interna no Poder Judiciário Nacional (PJN). O software foi desenvolvido pelo Banco Central do Brasil (BACEN) e cedido ao Conselho Nacional de Justiça por meio de convênio.

 

O projeto é capitaneado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que convidou alguns Tribunais para essa parceria. Participam do projeto o Conselho da Justiça Federal - CJF, Superior Tribunal Militar - STM, Supremo Tribunal Federal - STF, Tribunal Regional Federal da 1ª Região - TRF1 e o TJRO.

 

A Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação – Stic foi a responsável pela instalação técnica do Sistema Auditar no TJRO na primeira fase do projeto. Para a fase ambientação e utilização do sistema pela equipe de auditores, o projeto contará com o apoio da Secretaria Especial de Auditoria Interna e Controle – Seaic, que conduzirá a realização das atividades e testes do sistema no âmbito do Poder Judiciário de Rondônia (PJRO).

 

A necessidade para implantação de um sistema que auxilie as atividades de auditoria no âmbito do PJRO foi identificada no Plano de Gestão da unidade de auditoria (Seaic), e está em consonância com o plano de gestão da Presidência e com o apoio da Stic, que visa a melhoria na eficiência dos processos da área meio do PJRO com o uso de soluções tecnológicas.

 

O projeto de implantação está em plena execução e a equipe de auditoria verifica as condições de uso e ambientação do sistema Auditar. A previsão para que o sistema entre em operação no PJRO é para o primeiro semestre de 2019.

 

Sistema Auditar: tem como objetivo a melhoria da qualidade das atividades de auditoria, acelera a comunicação entre auditor, auditados, gestores, controles externos e internos governamentais, além de oferecer a transparência em ações de auditoria, o que está em sintonia com o Parecer nº 2/2013 – SCI/Presi/CNJ, Resolução n. 171/2013/CNJ e pelas normas internacionais para prática profissional de auditoria – IPPF’s emanadas pelo Instituto dos Auditores Internos.

 

 

 

 

Fonte: Ascom/TJ-RO

 

 


 
Publicidade